segunda-feira, 20 de março de 2017

Anel no bolso

Guardei um anel no bolso,
Aquele que te prometi.
Quando de longe vi,
Você saboreando outra boca.

Aquele anel que marcaria,
O dia do nosso amor.
Perdeu o sentido quando a vi,
Nos braços de outro.

Guardei no bolso um anel,
Que amarraria nos sonhos.
Quando meu coração se dilacerou,
Por me causar tamanha dor.

Aquele anel que um dia,
Foi o nosso mais doce plano.
Ao perceber que me jogasse ao engano,
Te vendo feliz com o perfume de outro.

Guardei o maldito anel no bolso,
Senti seu peso ferir o meu orgulho.
Ao ver o seu olhar de encanto no dele,
Destruindo aqui dentro o meu mundo.

Aquele anel uma prova seria,
Do meu verdadeiro amor por ti.
Agora dilui-se infinitamente,
Em magoa por tão louco ama-la.

Este anel maldito,
Agora me perturba.
Vive ali exposto,
Ao lado da sua fotografia.


Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.

segunda-feira, 13 de março de 2017

Eu te amo

Eu te imagino num jeito meigo
Eu te espero linda no tempo
Eu te quero nos meus sonhos
Eu te amo como um louco.

Eu te sinto aqui num beijo
Eu te preciso num abraço
Eu te necessito como um doido
Eu te encontro no espaço.

Eu te grito na força dos ventos
Eu te busco na fonte do desejo
Eu te vejo aqui como um anjo
Eu te espero pelo infinito.

Eu te crio e assim me faz vivo
Eu te rabisco no meu desejo
Eu te descrevo nos meus lábios
Eu te absorvo no meu mundo.

Eu te digo assim que te quero
Eu te peço assim em namoro
Eu te procuro nos meus versos
Eu te escrevo no meu livro.

Eu assim te quero
Eu assim te desejo
Eu assim te preciso
Eu assim te AMO.


Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.


segunda-feira, 6 de março de 2017

Coração meu coração

Coração meu coração,
Rogo-te não sofra assim.
Não machuca o peito,
Tenha pena de mim.

Coração meu coração,
Não seja enganador.
Bata forte eu te peço,
Não me deixe em dor.

Coração meu coração,
Não ver que estou triste.
Seja meu fiel amigo,
Sem medo ao amor grite.

Coração meu coração,
Sei que já está cansado.
Não de razão a solidão,
Ela o quer dilacerado.

Coração meu coração,
Não seja um acovardado.
Não se entregue a ilusão,
Deixe-a lá no passado.

Coração meu coração,
Sei ser grande este fardo.
Não se permita a decepção,
Cansei-me de amar calado.

Coração meu coração,
Não seja-me um ingrato.
Eu que recolho seus cacos,
Despedaçados ao chão.


Autor: Joabe Tavares de Souza - Joabe o Poeta.