quarta-feira, 24 de agosto de 2011

PIRULITOS

– Cadê minha netinha predileta?
– Vovô...
– Lhe trouxe balinhas.
– Cadê?
– No meu bolso.
– Me dá vovô, me dá.
– Tem preço.
– Tem pleço?
– Tem, mas não pegarei suas niquinhas. Você gosta de pirulitos, não gosta?
– Goto.
– Então! É melhor que as balinhas que lhe trouxe.
– Cadê vovô? Cadê?
– Taí...
– Não é pilulito. Vovô, não é pilulito. É diferente. É mais gande.
– Mais grande não minha netinha. Maior.
– Maior.
– Isso! Menina inteligente. E é pirulito sim. É diferente, mas é pirulito. Põe a boquinha devagarzinho. É gostoso. Experimenta.
– Tá.
– Não é bom?
– Tá salgado.
– Pega. Chupa uma das balinhas que lhe trouxe.
– Tá.
– Agora chupa o pirulito do vovô.
– Agola tá mais bom.
– Mais bom não minha netinha. Melhor.
– Melhor.
– Isso! Menina inteligente. Ahhh...
– Quedo vovô. É adido!
– É o recheio.
– É o recheio?
– É. Pode engolir.
– É adido vovô. Tá arranhano.
– Tá é? Deixa o vovô ver. Ah! É assim mesmo. Com tempo você se acostuma. Agora sorri pro vovô. Que gracinha!
– Cadê as balinhas?
– Aqui. Mas antes tem uma condição.
– Quê?
– Antes tem que me prometer uma coisa.
– Pometer uma coisa?
– É. Não pode contar pra ninguém.
– Por que vovô? Por que não pode?
– Porque será o nosso segredinho. Me promete?
– Pometo vovô.
– Boa menina. Sabia que você é minha netinha predileta?

Leonardo Nascimento.

Pulblicada terça-feira, 23 de agosto de 2011 no http://teoremadacontradicao.blogspot.com/