terça-feira, 2 de setembro de 2014

Eu acredito



Ao longo da minha vida, as pedras vieram,
E vieram com tal certeza que eu nem vi.
Muitas delas me atingiram, outras me foram lições.
Amadurecendo-me para os novos desafios.

Não tive medo algum de nada,
Pois as feridas por mais doidas, elas cicatrizaram.
Claro! As marcas são inevitáveis.
As angustias me tiraram os sonos.

Mas, sempre acreditei que sou capaz.
Capaz de fazer dos meus silêncios meus refúgios.
Também sou capaz de quebra-los quando preciso.
Ainda que me doa ainda mais, pois preciso gritar.

E ao gritar, percebo o quanto sou pequeno.
Entres as minhas duvidas e, assim eu sofro.
As vezes por serem tão insignificantes,
As vezes por serem tão vivas.

Mas as dores que me incomodam.
Ora eu a ignoro, por que é mais fácil,
Ora eu a sinto na sua total intensidade.
Pois só assim eu lavo minha alma.

Mesmo com as minhas inconstâncias,
Eu acredito que ao romper das noites tudo se renovará.
Acredito que os sonhos se faram reais,
Leve o tempo que for necessário para que ele aconteça.

Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.