segunda-feira, 5 de junho de 2017

Soneto – Manuscritos

Nos meus versos ficaras dito,
Estes silêncios sentir escritos.
Nas linhas brancas deste peito,
Guardados como manuscritos.

Nestes manuscritos revelo,
O que debate meu coração.
Não deixarei aqui em sigilo,
Essa minha louca emoção.

As mesmas que cura,
Essa sua ausência.
Nessa longa procura,
Pela sua existência.

Mas me perco nas circunstâncias,
Que ela ao longo do tempo produziu.
Entre nós ficou a insana distancia,
Desde o momento que você partiu.

Momento que deixara em conflito,
O coração e a razão em atrito.
Deixando a alma em vil aflito.

Em tudo que aqui eu sinto registro,
Nada muito assim meio sinistro.
Porem o que fica em mim restrito.


Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.