domingo, 13 de fevereiro de 2011

Fuga

Corro desesperadamente não
Sei por que, mas algo me diz;
Que se trata de uma fuga
Para um lugar distante.

Fujo de mim
Não sei se é exatamente de
Mim, mil coisas passam-me
Pela cabeça.

Fujo até do meu pensamento
Que vai ou que vem
Sinto-me perdido,
As palavras não me saem
Boca a fora.

Talvez preciso mesmo fugir de mim
Como as palavras fogem da minha boca
Assim como os pensamentos
Fogem do meu juízo.

Fujo desse mundo
Onde a vida pouco vale
É que a ambição tira-me
O resto que tenho.

Fujo de uma vida
Essa fuga repentina
Nada mais é
O próprio desejo
De me sentir feliz.

Fujo de uma vida
Louca, cansada, dolorida,
Agoniada, fujo exatamente
Dessa agonia.

Busco uma direção
A um lugar qualquer
Onde não preciso
Ter a necessidade
De fugir de mim mesmo.

Tenho medo dessa fuga
Que tenho vontade de concluir
Medo de não chegar
A qualquer lugar
E então, não ter aonde ir.

Foje-me as lágrimas
Como as letras de cada
Palavra que me falta
Inspirando meus pensamentos vagos.

Representando a dor
De minha alma
Pela angustia do desejo
De realizar um sonho.

Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.