segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Brisa de prata



Desde as nascentes,
A vida vem como corrente.
Deslizando entre a natureza,
No seu ziguezague.

De curva em curva,
O rio forma um corpo.
Escorrendo ladeira abaixo,
Transportando sonhos.

Na vertical e horizontal,
Nas diagonais e transversais.
Tecendo o próprio caminho,
Modulando seu entorno.

Sorridente forma as quedas.
Com sua correnteza.
Esbanjando riqueza,
Com toda simplicidade nata.

Em cada queda exuberante,
Forma um prateado véu.
Reunidos os amantes,
No encanto dessa imagem.

Para celebrar o amor e amizade,
Vivendo a cada momento.
O que há de mais belo na vida,
O viver a harmonia de existir.

Nos banhando de longe,
Com a fresca brisa prateada.
Ahh cachoeira de branca vida,
Vida que vale mais que ouro e prata!

Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.