terça-feira, 29 de julho de 2014

Chalé dourado



Os fios grisalhos
Que se rendem com o tempo
Escritos nas rimas
Nas túnicas dos meus versos.

Nas linhas das incertezas
Caminha a passos rasos
Cintilando as belas curvas
As turvas esperanças.

No laço do pensamento
Se curva o amar amado
Como num embrulho
Guardando os sonhos.

Em tudo fosse fiel
Como um réu
Tal tinta no papel
Exposto ao léu.

O que ficou no físico
Como um símbolo?
Nada só a lembrança
De um chalé dourado.

Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.