terça-feira, 6 de setembro de 2016

Dialogo mudo

Sentei-me na poltrona dos meus pensamentos,
Observei as paredes ali nuas.
Virei-me para os solitários e silenciosos cantos,
Buscando recordações suas.

Deixei pairar no ar os meus chulos lamentos,
Pelas brechas das noites escuras.
Fechei meus olhos longe dos contentamentos,
Guardando apenas as loucuras.

Fiz-me ali diante aquele desalento momento,
Num lugar estranho e frio.
Nada ali depois de ti tinha o mesmo encanto,
Sem o brilho do seu riso.

Nada me foi tão cruel e estranho,
Como a penumbra da dor.
Ali num lugar nulo e enfadonho,
Sem vida e sem cor.


Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.