quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

A noite


Quando a lua se faz presente
Na penumbra da minha solidão
Trazendo sua doce presença
E numa fantasia de amor
Busco nas estrelas o balsamo
Que me permite sentir em mim
A paz que tem o seu olhar.

Pois quem ama realmente
Mesmo estando distantes
Mesmo assim sofrendo
Sentindo na alma o frio da escuridão
Soprando e sua pele o ardor da solidão
Ainda assim tem a incrível capacidade de sentir
O suave e adocicado perfume da alma do outro.

E assim cerro meus olhos umedecidos
Com as mais profundas saudades
E então me encolho na minha loucura
Assim como uma criança insegura
Nos de sua amada e delicada mãe
Assim adormeço no calor da noite.

E a noite segue o seu ritmo
Favorecendo a minha inspiração
O meu coração se angustia
A sua falta que me fere
Mas ainda assim a amo
Num desejo real de estar
Junto de minha amada
Antes que termine a noite




Autor: Joabe Tavares de Souza - Joabe o Poeta.