terça-feira, 23 de abril de 2013

O meu eu



A cada batalha ganha,
O meu ego se eleva.
Mas, a cada perda,
Ele se esconde e murcha.

A cada contentamento,
Sinto-me muito forte.
Mas, quando a dor chega,
Eu não aguento eu choro.

A cada encontro com as duvidas,
A razão logo assim me alerta,
E nos ''serás'' que a vida me impõe,
Eu encontro todas as minhas falhas.

Mas, me vejo como humano,
Nos confrontos do meu eu.
Ai eu ressurjo como a fênix,
Entre o negro dos meus erros.

 Autor: Joabe Tavares de Souza - Joabe o Poeta.