segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

La fora



A noite está calma,
Sem vento e sem tormento.
As estrelas estão escondidas,
Que eu não a vejo.

Meus pensamentos se perdem,
No horizonte escuro.
O coração ao silencio se rende,
No insano crepúsculo.

A alma fica intacta ao vento,
Querendo a liberdade das avenidas.
Num olha longínquo desatento,
Nos vultos das frias esquinas.

As vozes cedem ao sussurro,
Não se sente nada além do sereno.
O movimento se confunde,
Com a quietude das coisas.

Chove forte lá fora neste instante,
Aqui dentro, o coração chora.
O vento lá fora faz festas nas arvores,
A saudade aqui dentro me devora.

O escuro agora lá fora acorda,
Adormece aqui dentro o amor.
O alvorecer do dia se descamba,
Encolhendo as pétalas das flores.

A noite aqui dentro me incomoda,
Pela solidez dos móveis.
Nada me atormenta tanto aqui,
Que a vontade de ver o mover lá fora.

Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.