quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Castelo de sonho



O meu castelo de sonho desabou,
Estou tentando juntar o que ainda restou.
Deste amor que ainda me machuca,
Nem o rastro não me sobrou.
A redoma de cristal de amor,
Só os cacos ao meu redor restaram.

Guardei só as saudades,
Só para não chorar.
Não me abato com as lembranças,
As deixo bem ali.
Escondidas com as lágrimas.
Vez ou outras as sinto,
Mas, rapidamente as deixo lá.

Mesmo depois de todo estrago,
Vou tentando fazer tudo outra vez.
Costurando o que me ficou,
Colando com esperança os cacos.
E reerguendo o meu castelo,
Com novos sonhos.

E os que foram destruídos.
Ficam no esquecimento,
Para me isentar das culpas.
Não por não me esforçar,
Para que fossem reais.
Mas para que eu não sofra mais.

Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.