sábado, 25 de julho de 2015

Longe de ti

Longe de ti os sonhos são pó,
São sem tempo no nó.
Sem nada e razão,
Com o tudo dar voz.

Longe de ti o coração dar nó,
Faz redemoinho de solidão.
Vira furacão a saudade,
E eu me sinto tão só.

Longe de ti não passa o tempo,
Faz as coisas aqui dentro em nada.
Inerciam-se as horas,
Nas estrelas apagadas.

Longe de ti a lua chora,
Molha o caminho dos sonhos.
O sol escurece diante a falta que tu faz,
Tudo em mim fica sem sentido e só.


Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o poeta.