segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Tenho dito poucas vezes que eu te amo

Tenho dito poucas vezes que eu te amo.
Eu sou assim, preciso ser provocado,
Nada para mim é mais prazeroso.
Há momento que me pego pensando:
Onde andarás, o que estará fazendo?

Depois de algum tempo,
Implorando carinho.
Tudo fica estranho,
O coração fica compactado.

Passamos a nos sentir rejeitados,
Ou na pior das hipóteses, ignorados.
Uma palavra expressando desejo,
Com doçura e sinceros sentimentos;
Acalenta a alma e aquieta o peito.
Sem a necessidade de ter medo.

Vou buscando nisso uma razão,
Entre as nossas inconstâncias e vazios.
Zoando com os meus próprios degredos,
Esquecendo-me naqueles vãos momentos.
Sem ter o perdão para os meus pecados.

Queres então me consumir como um arauto?
Um ser que só quer amar e se sentir amado?
És cruel com a minha existência, os seus atos.

Eu nessa minha loucura por amar-te, sou recantado.
Um dia, não muito longe, descobrirá o que eu sinto.

Tenho ainda a insana esperança em ser amado,
És a fonte do meu prazer, o que me mantem vivo.

Ainda que me negue este seu bandido amor,
Meus sonhos viverão nesta escuridão aceso.

Onde alimento por ti, o meu maior desejo...

Autor: Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.