sexta-feira, 25 de março de 2011

Não há final

O dia nasce e me renova
O brilho do sol me lembra
O seu olhar envolvente
O calor ardente do dia
Parecem suas mãos suadas
Aquecendo meu corpo
Molhando meu prazer
Com as suas caricias.

Saiu de casa procurando
Sua presença nas flores
Do jardim da praça
Onde colorido das pétalas
Preenche o meu vazio
Momentaneamente
No meu desejo nu
Realizo-me com o silencio
Sentindo nos meus os seus lábios.

Ainda ali naquele jardim
Deixo a marca desse amor
Escrevo numa pétala branca
O nosso nome um ao lado do outro
Com a tinta lilás da paixão
Na esperança que você
Reconheça-me quando por ali passar
Numa dessa noite em que me procura
Sob o magnífico e apaixonante luar.

No amar não há final
No amar só há recomeço
No amar não se esquece
No amar se permanece.

Joabe Tavares de Souza – Joabe o Poeta.