sexta-feira, 28 de maio de 2010

Joabe o poeta

“UM DIA DE TORMENTO”

Depois de uma madrugada infernal amanheceu, na minha cabeça tudo começa a aparecer parece ser tão real que o dia vai ser infernal.

Ouço vozes que não conheço e ai começa o meu desespero olho o sol e se parece com a lua o dia parece virar noite.

O tempo se fecha e começa a chover cada pingo de chuva parece mais uma estrela assim o dia prossegue e o tormento me segue.

Se vou ligar meu aparelho de som coloco uma fita quebrada e ném percebo, pois o nervosismo subiu nas veias mas a mente pede calma.

Logo chega o meio dia e vou para mesa almoçar e em meio a minha refeição uma pedra espera para eu a mastigar que quase o meu dente irá quebrar.

Com terrível enxaqueca isso nem chega a concretizar, deixo tudo na mesa e um comprimido vou tomar, saio pela rua e em uma pedra vou tropeçar.

Em um bar eu entro, bebida nem pensar, na vontade de saber onde vou estar, saio sem saber aonde vou parar.

Chego a casa de um amigo vejam só a que ponto cheguei, sem saber porque e sem motivo algum, uma bronca levei.

O dia foi terminando e o tormento foi passando.
E finalmente a paz chegou.
Ufa, que dia...

Autor: Joabe Tavares de Souza. Data: 13/06/~1992/ ás /14:22/hms.